Voltar ao site

Negócios de Impacto por e para Mulheres

Como o empreendedorismo de impacto pode fortalecer o protagonismo feminino

O simples fato de ser mulher é o suficiente para que algumas pessoas não confiem na capacidade de gestão de uma empreendedora. 

(uma dura realidade, né?) ⠀

Por incrível que pareça, isso ainda acontece muito, sobretudo nas empresas tradicionais, revelando uma dívida histórica, construída e reiterada por séculos de opressão e invisibilidade. 

Felizmente nos negócios de impacto, a garantia da diversidade deve ser uma condição inegociável. Já são muitos os empreendimentos que contam com mulheres em diferentes frentes.

Em um mundo em que a desigualdade de gêneros é um desafio, o empreendedorismo pode ser uma ferramenta importante para combatê-la e tornar a sociedade mais igualitária para mulheres e homens.  Mas isso não acontece sem o esforço consciente de todos os atores do ecossistema empreendedor: de quem empreende, de quem investe, de organizações intermediárias e de apoio e do governo e suas políticas públicas. ⠀

A #CasaDez é um negócio conduzido e operado por mulheres que sentem na pele os desafios do empreendedorismo feminino nos negócios de impacto, por isso temos o maior orgulho de apoiar empreendedoras em diferentes segmentos. Quer saber como promover a igualdade de gêneros através do empreendedorismo? Separei aqui cinco dicas!😉

1 - Criando autonomia e empoderamento econômico às mulheres;

2 - Oferecendo oportunidades de acessar conhecimento e empregabilidade;

3 - Fornecendo produtos e serviços para todos os tipos de mulheres, valorizando a diversidade;

4 - Democratizando o acesso ao consumo, por meio da oferta de bens e serviços a preços acessiveis; 

5 - Permitindo que se tornem referências em seus territórios.

Além disso, negócios de impacto aumentam a autoestima das mulheres. Pesquisa feita pela British Council, aponta que começar o próprio negócio traz um sentimento de autovalorização, tornando as mulheres mais capazes de fazer suas próprias escolhas com mais confiança.

Por Mariana Uchôa - cofundadora da Casa Dez, psicóloga e gestora social.